terça-feira, 29 de maio de 2012

Programador Profissional #1: Domínio do inglês

Edsger Wybe Dijkstra (1930-2002)
Este post é o primeiro (#1) da série de definições sobre o que considero um programador profissional. Pensei em utilizar o título "Profissional Competente", mas acabei por concluir que seria um pleonasmo. Afinal, se é profissional, é competente. Os outros não competentes usualmente classifico como amadores.

Costumo utilizar uma imagem para representar cada post. Como falamos em profissionalismo, resolvi utilizar a foto de Edsger Wybe Dijkstra, considerado por muitos como o primeiro programador competente. É dele uma de minhas citações favoritas, apresentada quando um pesquisador lhe perguntou sobre qual tópico estudar:
"Only do what only you can do".
Traduzindo literalmente:
"Faça somente o que somente você pode fazer." 
A ordem das postagens é aleatória, ditada pela inspiração do momento. Isto não faz desta definição a mais, nem a menos importante.

Sempre disse aos meus alunos e a quem trabalhou comigo que saber inglês em nossa profissão é fundamental. Dominar a língua inglesa não é precondição para estar empregado na área de tecnologia. Afinal, a suposta carência por mão-de-obra é tão grande que até os amadores têm seu lugar. Mas é precondição sim para ser um programador profissional.

Gosto muito de uma frase que o +Bruno Souza (o JavaMan) utilizou em uma de suas palestras aqui em Maringá: "Pra você que trabalha na área de tecnologia, português é sua segunda língua (inglês é a primeira)". Recado dado na medida exata de importância.

Os bons livros são todos escritos em inglês. Depois de muito tempo, apenas alguns destes livros são traduzidos (e normalmente a tradução deixa a desejar). Não conseguir ler os bons livros disponíveis já alija qualquer programador de informações importantes e necessárias para tornar-se profissional. O mesmo se aplica a quaisquer artigos, sites e revistas. Alguns teimosos vão contra-argumentar: "mas para estes casos há o Google Translator". Acreditem: não é a mesma coisa.

Ao participar de fóruns de discussão e eventos você possui a oportunidade de dialogar e trocar idéias e informações com pessoas fantásticas. Estas pessoas advém de diversos lugares do mundo, mas certamente todas falam inglês. Entendam uma coisa: inglês é a lingua franca do mundo da tecnologia. É no mínimo "chato" participar de grandes eventos e ficar "de lado" porque "não sabe inglês".

Ler documentação de projetos? Participar de projetos open-source? Trabalhar em equipes geograficamente distribuídas? Conseguir os melhores projetos? Obter os melhores empregos? Para todas estas situações vocês precisarão do inglês.

Para ser um programador profissional é preciso muito estudo e acesso à muita informação. Esta informação está em inglês. Nunca é tarde para aprender. Aliás, antes agora do que mais tarde. Novamente: quem quer acha um meio; quem não quer, acha uma desculpa. Bons estudos.