terça-feira, 7 de maio de 2013

Eu não acredito (mais) em super heróis...


Há cerca de 3 anos tenho passado pelo momento profissional mais delicado da vida até então. Muita coisa aconteceu, muitas reflexões se passaram e agora que a trajetória volta a se tornar uma ascendente posso compartilhar um pouco das duras experiências que tive.

Durante muito tempo acreditei que para ter sucesso em algo bastava ser muito bom naquilo. O sucesso seria consequência. Entretanto, ser bom naquilo que faz pode te ajudar muito sim, mas de nada vai lhe adiantar se ninguém souber disso. Descobri que tão importante quanto ser bom é permitir que os outros saibam o quão bom você é. Não que eu o seja, mas como diz o ditado, "galinha que não põe ovo vai pra panela". O importante é cacarejar. Mesmo que o seu ovo não seja lá essas coisas...

Senti também que o meu idealismo sobre software livre, métodos ágeis, código bem feito, artesanato de software etc poderiam transformar o mundo. E, tolo ou não, continuo acreditando nisso. Mas descobri que sou humano, e para atender minhas necessidades mundanas preciso de algo chamado dinheiro. Percebi que enquanto eu não tiver dinheiro suficiente para sustentar o meu mundo, não conseguirei mudar o mundo de ninguém.

Sinto-me também um perfeccionista. Mas ser perfeccionista é muito diferente de ser perfeito. E dói muito descobrir pela experiência que quanto mais vivo, menos "perfeito" eu me torno. Também não que um dia eu o tenha sido, mas perceber que a distância entre você e o seu ideal aumenta não é algo agradável. Acredito também que não tenha me tornado pior: só a visão da realidade é que se tornou menos embaçada.

Durante um bom tempo também me senti um hipócrita. Por conveniência, falta de dinheiro ou de tempo muitas vezes disse SIM quando deveria ter dito NÃO. E continuo afirmando que dizer NÃO é bom, pois as vezes em que o fiz valeram a pena. Também prometi prazos que não pude cumprir, criei código do qual não me orgulho, atualizei sistemas sem os devidos testes... E sofri as consequências de cada uma destas atitudes. Já me auto-flagelei e sofri o suficiente com isso. Hoje não mais.

Hoje não acredito (mais) em super heróis. Hoje ainda tenho as pessoas que admiro, mas não acho que alguém possa ser um "super herói". Pelo menos não o tempo todo. Hoje creio que todos, por melhor que sejam, precisam de um "alter-ego" humano. E como todo humano, erram. Eu, particularmente, erro demais. Novamente não que possa ser herói de qualquer coisa, apenas tenho minhas convicções e ideais. Nestes, continuo acreditando. E os continuarei defendendo e divulgando. E errando muito mais.

Aprendi que a vida não é decidida entre o certo e o errado. E que ninguém pode estar "certo" o tempo todo. Se vocês acreditam que fazendo software melhor, estarão participando de um mundo melhor, parabéns. Vocês já estão na jornada do artesão de software. E mais do que dar os passos certos, o importante é estar no rumo certo. E se vocês fraquejarem e errarem pelo caminho, não se sintam mal. Vocês não estarão errando sozinhos..

Boa jornada! Mas tenham dinheiro pelo menos para as passagens, caso contrário não chegarão a lugar algum...