quarta-feira, 13 de junho de 2012

Programador Profissional #2: Arrogância e humildade


Primeiramente definirei as acepções que utilizarei das palavras "arrogância" e "humildade":
Arrogância: (do latim arrogantia). Atitude altaneira; altivez, orgulho.
Humildade: Consciência da própria fraqueza ou situação.
Um programador profissional é arrogante, pois tem consciência do que representa seu trabalho e do que é capaz de fazer. Não há porque sermos modestos neste ponto: programar é provavelmente a atividade intelectual mais difícil de todos as profissões existentes.

Nós, programadores, somos os seres mais poderosos do universo. Nós, programadores, somos capazes de criar ordem a partir do caos. Nós, programadores, somos capazes de enviar passarinhos ao espaço para matar porcos que roubam ovos. E nós temos esse poder pois somos capazes de criar software.

A cura do câncer só será possível pois um programador profissional criará um software que permitirá que isso aconteça. Os limites da idade humana serão rompidos porque um programador profissional criará um software que permitirá que isso aconteça. A fome de todos os habitantes do planeta será extinta porque um programador profissional criará um software que permitirá que haja comida em abundância. Absolutamente nenhuma inovação da produção humana ocorrerá sem que um programador profissional  esteja por trás dela.

E "quanto maior o poder, maior a responsabilidade". Um programador profissional tem consciência e orgulho de seu poder; e o utiliza com responsabilidade.

Um programador profissional não se contenta em fazer "cadastros": ele sabe que pode e se empreende em fazer muito mais.

Mas um programador profissional também tem humildade. Ele sabe que é humano, e que pode e falhará muitas vezes em sua jornada. Admitir seus erros, desculpar-se e corrigi-los faz parte do seu cotidiano.

Um programador profissional não é um chato que precisa proclamar para todas as paredes que "eu sou foda". (Não faltariam exemplos se quisesse cita-los).

Um programador profissional usa o seu conhecimento, sua habilidade e a sua experiência como um relógio de bolso: deixa-o guardado sem exibi-lo, mas oferece e mostra as horas quando necessário ou quando solicitado.

Um programador profissional é humilde como um super-herói: ele dorme com a satisfação de quem tornou o seu mundo um pouquinho melhor, mas contenta-se em permanecer no anonimato...